Tarifas bancárias sobem até 12 vezes a mais que a inflação, aponta pesquisa do Idec

Tarifas bancárias

Tarifas Bancárias

Bancos tradicionais reajustam preços dos serviços bancários muito acima da inflação apesar da concorrência, aidna fraca, dos bancos digitais. O reajuste médio praticado pelos maiores bancos do País foi de 14%, quase o dobro da inflação do período.

 

Bancos Pacotes de Tarifas

 

Reajustes acima da inflação

O Idec realizou uma comparação entre as tarifas dos cinco principais bancos do País (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander) no período entre abril de 2017 a março de 2019. Ao analisar 70 pacotes de serviços ofertados pelos bancos, constatou-se que o reajuste médio praticado foi de 14%, quase o dobro da inflação. Ou seja, mais da metade dos bancos realizaram reajustes superiores à inflação, medida pelo Banco Central a partir do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 7,45% no período.

Quando analisadas as tarifas avulsas, entre os 20 principais serviços mais utilizados pelos consumidores, também demonstra-se aumentos acima do esperado. Com exceção do Itaú, que reajustou sete tarifas (35% do total) acima da inflação, todos os bancos tiveram mais da metade dos seus serviços reajustados acima da inflação. Foram encontrados 50 serviços com reajustes entre 10% e 89%.

Perversos e Coniventes

O sistema financeiro no Brasil é perverso com conivência do Estado. Governos adotam política econômica baseada em Ministros da Fazenda oriundos das Instituições financeiras, que privilegiam a obtenção de lucro através de investimentos em ativos financeiros em vez de produção e venda. Para o sistema financeiro não basta apenas operar com um spread bancário acima da taxa selic. Os bancos pegam dinheiro no mercado entre 0,6 a 1,4% ao mês e repassam através de empréstimos com taxas entre 3,4 a 14% ao mês. Ação comercial qualificável com as piores definições, que conta como já escrevemos, com apoio passivo de governantes e políticos eleitos.

 

Bancos Pacotes de Tarifas

 

Cuidado

O cliente ao escolher um banco, seja ele tradicional ou digital, precisa ficar atento para não perder dinheiro ao receber ou realizar depósito. Fique atento para : Taxa de manutenção, valor para saques ( um absurdo, para retirar seu dinheiro você paga uma taxa – há bancos que cobram até R$ 6,50 por saque ), valor para transferência para outras contas e bancos, taxas por envio de mensagens, filas para depósitos, rede de atendimento e segurança. Dependendo do valor, é melhor ficar com o dinheiro em mãos, pois poderá ter despesas ao retira-lo do banco.

Avaliação dos consumidores

Com base nas informações disponíveis no site Reclame Aqui, observa-se que entre às avaliações dos bancos virtuais e dos tradicionais, o volume de reclamações dos digitais é proporcionalmente maior do que os demais, levando em consideração o tamanho e o histórico da carteira de clientes.

Enquanto os bancos tradicionais têm média de reputação 7,7, os bancos virtuais mostram um desempenho médio de 7,3. Isso acontece porque, como todo mercado que está se estruturando, os bancos virtuais ainda têm limitações e melhorias que precisam ser incorporadas para consolidar o ambiente de concorrência e qualidade na oferta de serviços financeiros.
O índice de reputação é composto pelo índice de respostas realizadas; média da avaliação dos consumidores; índice de solução do problema e o índice de novos negócios, que define se o consumidor voltaria a fazer negócios com o banco.

É importante ressaltar que a inovação tecnológica, que tanto impulsionou os bancos tradicionais e contribuiu para a criação de um novo mercado de bancos virtuais, tem uma participação relevante nessa mudança de comportamento dos consumidores. Dessa forma, deve se refletir em redução de custos, equilíbrio nas relações com consumidores, inclusão financeira e expansão do mercado financeiro tendo como princípios os direitos dos consumidores.

Dicas aos consumidores

Confira dicas da economista do Idec, Ione Amorim, ao escolher um banco tradicional ou virtual
:: Avalie com regularidade sua movimentação financeira e veja quais serviços você mais usa;
:: Se pergunte qual sua familiaridade com plataformas virtuais;
:: Verifique a disponibilidade do acesso à internet na região onde mora;
:: Procure saber as reclamações sobre o banco que você pretende contratar;
:: Compare os preços dos serviços e avalie os benefícios oferecidos em cada um;
:: Confira a cobertura de serviços e contratos disponíveis com informações claras e objetivas sobre a sua contratação.
:: Considere transformar sua conta corrente em uma conta gratuita (pacote de serviços essenciais).

Fonte : IDEC