Setor têxtil e de confecção projeta recuperação de empregos em 2019

Setor têxtil e de confecção
Setor têxtil e de confecção – foto AllPhoPress

Setor têxtil e de confecção

Pesquisa da Abit indica otimismo do empresariado, depois de um déficit de 27 mil vagas no balanço de empregos de 2018.

O emprego na indústria têxtil e de confecção encerrou o ano de 2018 com saldo negativo, de acordo com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho, divulgado na quarta-feira (23.01.19). No entanto, apesar do expressivo fechamento de vagas no período, a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) sinaliza a recuperação nos postos de trabalho do setor em 2019.

Em dezembro, o saldo negativo ficou em 20.120 vagas, resultado de 8.085 contratações e 28.211 demissões. No acumulado do ano, o desempenho ficou negativo em 27.326 empregos, mesmo saldo identificado em 12 meses.

Para o ano que se inicia, entretanto, a associação mantém um otimismo moderado. Segundo projeção divulgada em dezembro, são esperadas a criação de 20 mil novas posições, com crescimento da produção em 3,5%.

A crença de melhora no ambiente econômico é sustentada também por pesquisa exclusiva realizada pela Abit com seus empresários. O levantamento indicou que 66,94% dos entrevistados estão otimistas com o desempenho do País e 63,11% com suas próprias empresas.

Contudo, os empresários destacam a necessidade da realização de reformas, como a previdenciária (61,60%) e a tributária (67,20%). Segundo o boletim Focus, do Banco Central, a expectativa é de que o PIB brasileiro cresça 2,53% em 2019.