Saúde – Esclareça as principais dúvidas sobre a vacina contra a gripe 2015

saude-vacinacao-gripe-influenza-2015-foto-600x350-reproducao-internet-sortimentos

A partir de cinco de maio de 2015, milhares de pessoas devem passar por postos e centros de vacinação em todo o país em busca de prevenção contra a gripe. Nessa data tem início a campanha nacional do governo federal contra a influenza, que é reforçada por especialistas em saúde. “As pessoas devem estar atentas porque esse tipo de campanha é importante em dois sentidos: protegem contra infecções que tem expressivo potencial de complicações associado e também, no caso da comunidade, contribuem para redução da circulação do vírus entre as pessoas”, analisa o infectologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Artur Timerman.

No caso da gripe, as pessoas não devem se preocupar, caso tenham mal-estar e febre cerca de 1-3 dias após a administração da vacina. “Elas não ficaram gripadas após a vacinação. É apenas uma reação de resposta imunológica que atinge de 3 a 5% do grupo.” O Dr. Timerman ressalta também que, assim como as crianças, os adultos também devem se proteger contra doenças infecciosas. Vacinas contra difteria, tétano, sarampo, caxumba e rubéola, entre outras, devem ser repetidas na vida adulta. Afinal, doenças infecciosas são as que mais levam ao afastamento do trabalho por períodos longos.

Segundo a responsável técnica da Unidade de Vacinação da instituição, Edmara de Oliveira, a campanha de vacinação contra a gripe já é responsável pela diminuição de cerca de 30 a 40% do absenteísmo nas empresas. As vacinas são ainda mais importantes para os grupos de indivíduos portadores de diabetes, doenças cardíacas e renais, além dos pacientes imunodeprimidos, como portadores de câncer e HIV. Nesses casos, as complicações decorrentes dessas doenças infecciosas são ainda mais severas.

Esclareça as principais dúvidas sobre a gripe e a vacinação

– Gripe merece atenção – a doença pode levar a complicações como sinusites, otites, pneumonia e até a morte;
– Os sintomas da gripe são febre alta, fraqueza, dores no corpo, tosse e mal-estar. A pessoa contaminada pode ficar doente por até duas semanas;
– Resfriado não é gripe – o resfriado é gerado por vírus diferentes do da gripe e apresenta sintomas mais leves como coriza, discreto mal-estar e a febre não é frequente;
– O vírus da gripe é transmitido através da tosse, espirro ou durante uma conversa. A contaminação pode ocorrer por via respiratória ou por meio do contato com locais infectados, como corrimões e apertos de mão;
– Medidas simples como evitar aglomerações, lavar as mãos com água e sabão ou higienizá-las com álcool gel após contato com superfícies ou depois de espirrar e tossir contribui para a prevenção;
– Espirrar e tossir contra o braço (e não na mão) ou em lenços descartáveis, também ajuda a evitar a gripe;
– A vacina contra gripe tem eficácia de até 90% na prevenção da doença. Qualquer pessoa com mais de seis meses de idade pode tomá-la. Leva cerca de duas semanas para o vacinado ficar protegido e a imunidade tem duração de um ano;
– É importante destacar que a vacina não causa a gripe, já que é constituída de vírus mortos. Porém é suficiente para provocar reações, produzindo defesa contra a doença;
– A vacina é específica contra os vírus causadores da gripe e não protege contra vírus que provocam doenças respiratórias, mesmo que os sintomas muitas vezes sejam parecidos;
– No dia da vacinação e no dia seguinte, é importante consumir alimentos leves, beber muita água e evitar atividades físicas;
– Em casos de mal-estar, o tratamento dos sintomas é suficiente. Paracetamol é o medicamento mais indicado.
– Alérgicos a ovos não devem tomar a vacina contra a gripe, que é produzida após inoculação do vírus em ovo e contêm proteínas derivadas do produto em seu conteúdo.

Foto: Reprodução Internet

-- --