Servidores da área de segurança paralisaram atividades no Rio Grande do Sul

Servidores da área de segurança pública do Rio Grande do Sul paralisaram as atividades na quinta-feira (04.08.16) em protesto contra o parcelamento de salários do Executivo estadual. A interrupção dos trabalhos estava marcada para ocorrer apenas nesta quinta-feira, mas os servidores pretendem seguir em operação padrão até que o pagamento referente ao mês de julho seja totalizado pelo governo.

No começo da semana, os sindicatos dos trabalhadores do setor sugeriram aos cidadãos que evitassem sair de casa no dia da paralisação, para evitar problemas com a falta de policiamento. Com isso, parte das escolas estaduais não abriu as portas. As escolas municipais e as particulares, no entanto, funcionaram normalmente.

Na quarta-feira (03.08.16), a 5ª Vara do Trabalho de Porto Alegre havia concedido uma liminar determinando que os bancos permanecessem fechados durante a paralisação para “preservar a segurança dos bancários”. No entanto, a liminar foi derrubada na madrugada de hoje por um desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, e os bancos funcionaram normalmente ao longo do dia.

Segundo o Sindicato dos Servidores da Polícia Civil (Sinpol-RS), a adesão da categoria à paralisação foi significativa. Serviços essenciais foram mantidos para atender apenas a ocorrências de crimes hediondos e contra crianças, idosos e mulheres. De acordo com o sindicato, as operações policiais permanecerão suspensas até que o pagamento dos salários seja integralizado.

“Esperamos que o governo do estado implante políticas que venham a corrigir as distorções em relação à arrecadação, para corrigir o pagamento dos salários”, disse o vice-presidente do Sinpol-RS, Emerson Ayres. Ele sugeriu o combate à sonegação fiscal como possível solução para a situação financeira do Rio Grande do Sul.

Apesar da paralisação, os policiais da Brigada Militar (BM) permaneceram em serviço, promovendo apenas manifestações em frente a alguns quartéis. A corporação informa que, inclusive, aumentou o efetivo em cerca de 35% n a manhã de hoje.

O subcomandante-geral da BM, coronel Andreis Silvio Dal’Lago, explicou que o reforço no policiamento foi necessário porque grupos estariam combinando nas redes sociais a prática de crimes durante a paralisação. Além do aumento no efetivo, as trocas de turnos foram agilizadas e as tropas especiais pernoitaram em locais diferentes dos costumeiros.

“Com isso, garantimos a proteção à sociedade gaúcha, cumprimos nossa missão institucional e demos garantia aos brigadianos de fazer a sua justa e democrática manifestação”, afirmou o coronel. Segundo Dal’Lago, não foram registrados incidentes com manifestantes ao longo da quinta-feira.

O governo estadual considerou “pacíficas” e “ordeiras” as manifestações dos servidores da segurança pública. Em nota, o Executivo diz que “compreende as dificuldades que os servidores estão passando devido ao parcelamento dos salários” e destaca a “perseverança” daqueles que permaneceram nos postos de trabalho ao longo do dia.

“Se houvesse alternativa para revertermos o parcelamento dos salários neste momento, seríamos os primeiros a adotá-la. A dificuldade do governo é a dificuldade de toda a sociedade”, afirmou o chefe da Casa Civil gaúcha, Márcio Biolchi. Ele ressaltou que o Executivo precisa compreender a crítica e usá-la como fonte de pressão para que a situação não se agrave.

Hoje à tarde, em palestra para empresários da Região Sul, o governador José Ivo Sartori falou sobre as paralisações na segurança pública. “O clima de pânico, criado por algumas organizações sindicais, prejudica 11 milhões de gaúchos e favorece a criminalidade”, disse Sartori.

O governador também apresentou a situação financeira do estado aos empresários, lamentando que a despesa com inativos represente 55% da folha dos servidores.

De acordo com Sartori, o pagamento do funcionalismo consome 75% da receita gaúcha. “Sobra muito pouco para investimento, e a fonte de recursos para os demais poderes é a mesma. A melhoria no padrão da gestão pública é fundamental para mudar esse cenário. É o que estamos fazendo, por meio do Acordo de Resultados, com apoio do Movimento Brasil Competitivo e do Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade”, ressaltou o governador.

Quinta-feira será de paralisação no Rio Grande do Sul
Em Assembleia Geral, realizada na noite de quarta-feira (03.08.16), na sede da Associação dos Delegados de Polícia, foi aprovada por unanimidade a paralisação de todas as atividades dos delegados da polícia civil, da meia-noite às 21h de quinta-feira (04.08.16), atendendo apenas casos graves com violência ou grave ameaça, à critério da autoridade policial.

Também foi aprovada a suspensão das operações policiais, até a integralização do pagamento dos salários, com renovação automática a partir do próximo mês, se repetir a situação de parcelamento salarial.

Os delegados também decidiram que não serão prestadas informações acerca de investigações em andamento.

A ASDEP cobrará do Governo do Estado o cumprimento da decisão judicial que veda a permanecia de presos das delegacias de polícia.

BM confirma policiamento normal para jogo do Grêmio na Arena
A Brigada Militar garantiu a segurança para a partida entre Grêmio e Santa Cruz às 19h30min de quinta-feira, na Arena, válida pela 18ª rodada do Brasileirão. Para evitar que houvesse o bloqueio das viaturas nos quartéis, a Brigada encaminhou veículos e efetivo de plantão para outros pontos de Porto Alegre.

Sartori orientou a população sair às ruas
O governador José Ivo Sartori coordenou reunião com a cúpula da Segurança Pública, formada por Brigada Militar, Polícia Civil, Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e Instituto-Geral de Perícias (IGP), na quarta-feira (03.08.16), no Palácio Piratini. Sartori disse que as paralisações não devem afetar os serviços essenciais e nem causar pânico à população. Orientou que as pessoas saiam normalmente às ruas e reiterou que os servidores que desrespeitarem normas civis e militares serão responsabilizados. “Confio na responsabilidade dos policiais na proteção dos 11 milhões de gaúchos”, afirmou o secretário da Segurança Pública, Wantuir Jacini.

Cancelada apresentação da Cia. de Dança na quinta-feira
Está cancelada a apresentação comemorativa aos dois anos da Companhia Municipal de Dança de Porto Alegre que estava programada para quinta-feira (04.08.16), às 21h, no Theatro São Pedro (Praça da Matriz). A decisão foi anunciada pelas direções da Companhia e do Centro de Dança da Prefeitura de Porto Alegre. A nova data para o espetáculo será divulgada posteriormente. Mais informações (51) 3289-8124.

.