Rio de Janeiro – Fechamento de leitos hospitalares vai trazer consequências graves ao atendimento aos pacientes, afirma professor

Rio de Janeiro Hospital Saude - Foto Tomaz Silva Agencia Brasil

Uma denúncia do Conselho Federal de Medicina apontou que o Rio de Janeiro foi o estado que mais desativou leitos destinados a pacientes que precisam permanecer num hospital por mais de 24 horas, à frente de Minas Gerais (- 3.241 leitos) e São Paulo (- 2.908). Isso representa uma queda de mais de 23 mil leitos do SUS no país nos últimos cinco anos, sendo 7 .052 leitos nos hospitais do Rio ( 30% do total de leitos desativados no Brasil).

O fechamento de leitos foi denunciado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) ao Ministério da Saúde. As especialidades mais afetadas são psiquiatria, pediatria cirúrgica, obstetrícia e cirurgia geral.

Para Alessandro Paiva, doutorando em política púbica, autor de livro sobre gestão em Saúde e professor de Administração da Faculdade Mackenzie Rio, a queda no número de leitos foi ocasionada por uma série de motivos. “Primeiro, foi o descredenciamento de hospitais privados que recebiam para atender pacientes da rede pública por causa do congelamento da tabela de pagamentos do SUS, relativa aos procedimentos médicos. Segundo, vimos um problema grave de gestão do Governo do Estado do Rio que ocasionou o atraso no repasse de transferência às unidades da rede estadual. Tudo isso vai trazer consequências irreversíveis para os pacientes como o atraso no diagnóstico médico e até o aumento da taxa de mortalidade”, explica.

Foto : Tomaz Silva – Agência Brasil

-- --