Radiação solar é mais perigosa no Rio Grande do Sul do que no nordeste do país durante o verão

mulheres verao mulheres piscina mulheres praia


Assunto foi debatido na 42ª Jornada Gaúcha de Dermatologia, que ocorreu entre os dias 20 e 21 de outubro em Porto Alegre (RS)

Os próximos meses devem contar com um aumento considerável dos índices de radiação ultravioleta no Rio Grande do Sul, intensificando-se entre dezembro e janeiro, atingindo números considerados altos e extremos pela Organização Mundial da Saúde (OMS).”Estes níveis são normais para esta época do ano (entre outubro e março), só precisamos ter atenção quando há eventos de efeito secundário, que é o ar com baixa concentração de ozônio que parte da Antártica e que atinge o nosso estado, tornando os raios UV ainda mais perigosos”, explica a engenheira e pesquisadora da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM-RS), Damaris Kirsch Pinheiro.

A importância da fotoproteção para evitar a exposição à radiação solar o máximo possível também foi assunto da explanação da dermatologista associada da SBD-RS e professora titular da UFRGS, Tania Cestari. A especialista salientou que algumas substâncias orais ajudam na proteção ao envelhecimento, como é o caso de derivados da vitamina C, E, resveratrol e polypodium leucotomos.”Essa época do ano é muito propícia para debatermos a importância da fotoproteção. Todo dermatologista recomenda a proteção aos pacientes e, mesmo assim, percebemos que pessoas que trabalham em locais muito abertos ou no período do verão, podem ter danos relacionados a radiação ultravioleta, que são cumulativos. Hoje, temos mais recursos e conhecimento sobre como evitar esses danos a longo prazo”, explica.

-- --