Como ficam os Sonhos se é difícil Poupar por Aécio Schröder da Silveira

Como ficam os Sonhos se é difícil Poupar

por Aécio Schröder da Silveira

Todos nós temos sonhos, ou deveríamos tê-los, mas enfrentamos grandes dificuldades de possuirmos uma sistemática de planejamento financeiro para alcançá-los.

É o que nos mostra o indicador apurado pela SPC Brasil (publicado em junho/2018), que relata com dados referente ao mês de abril/18, que apenas 16,2% conseguiram guardar algum dinheiro, ante expressivos 71,9% que não conseguiram. Mas, o ponto que mais chamou atenção daqueles que não pouparam, tirando aspectos como renda baixa e imprevistos, foi o indicador de 17,3%, que não guardaram por falta de disciplina ou descontrole dos gastos.

Este é um ponto merecedor de reflexão adequada, pois este comportamento, muitas vezes com alto grau de irracionalidade no consumo, produzirá consequências de curto prazo, como a inadimplência, e de longo prazo, como a aposentadoria não planejada.

Os resultados obtidos apontam para dificuldades de gerenciamento financeiro, em parte causado pela falta de Educação Financeira, do aproveitamento consciente de instrumentos financeiros e do uso de informações com aspectos didáticos e educativos, que possam ser utilizados de forma prática pelos consumidores.

De outro modo, defendo a ideia que tomar atitudes aparentemente pequenas – e até certo ponto banais – podem trazer mudanças muito positivas. No dia a dia, esse “empurranzinho preciso ser algo fácil, barato e que te ajude a fazer as escolhas certas.

Se quiser sair da inércia e finalmente começar a poupar, passe simplesmente a reservar uma quantia simbólica no final do mês. O fato de economizar cinquenta reais que sejam, é suficiente para romper a programação mental que mina suas finanças pessoais. Vá um busca, também, de autoconhecimento buscando entender por qual razão você entra no cheque especial ou reluta a fazer poupança.

Uma boa atitude pode mudar nossa arquitetura de escolha, evitando compras desnecessárias, motivadas por placas indutoras de emoção, evitando que o cérebro aja por impulso, decidindo com base no sistema rápido, mais intuitivo e emocional.

Precisamos adquirir o hábito de poupar, mesmo descontando os efeitos da conjuntura econômica, pois se nos disciplinarmos a conceber o nosso planejamento financeiro, separando a quantia financeira que será destinada a realização dos sonhos que almejamos, dividindo esses em – curto prazo até um ano; médio até dez anos e longo prazo acima de dez anos – criaremos em nossa mente propósito de vida, não transformando o dinheiro poupado em mera acumulação de capital, mas relacionado com objetivos de vida, que atingidos, nos proporcionarão grande alegria e felicidade, estabelecendo um novo ‘modus vivendi’ com sustentabilidade.

A mensagem que deixo é de pedir que reflitam sobre a importância que você concede ao dinheiro, é necessário tê-lo, mas para alcançarmos objetivos do (ser) feliz a não do simplesmente do (ter) riqueza. Vamos atrás de nossos sonhos com comportamentos de consumo adequados e poupança.

Educador Financeiro Aecio Schroder da Silveira

Aécio Schröder da Silveira

Bacharel em Administração de Empresas, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Ciências Jurídicas e Sociais pela PUC/RS, Pós Graduado em Marketing, UFRGS e em Gestão Pública pela Escola do Ministério Público do RGS. O servidor do Ministério Público do Rio Grande do Sul e Educador Financeiro ministra conhecimento para que as pessoas tenham uma gestão mais eficiente e melhor organizem seus recursos, tanto no pessoal, como, também, seus investimentos. Contato para palestras : aecio.silveira@dsop.com.br . >>> Leia todas as publicações de Aécio Schröder da Silveira

Booking.com