Porto Alegre – Skank apresenta turnê Velocia no Araújo Vianna

POA-Skank-foto-divulgação-sortimentos-com

 
O grupo Skank vai mostrar as músicas do álbum mais recente, Velocia, no dia 23 de abril de 2015, às 21h, no Araújo Vianna (Av. Osvaldo Aranha, 685 – Farroupilha), em Porto Alegre/RS. Os valores dos ingressos variam de R$ 80 a R$ 240.

 

“Velocia” pode ser encarado de cinco formas diferentes. É o primeiro disco de músicas inéditas do Skank em seis anos; é o álbum que melhor traduz os anos de história da banda; é o disco que, por passear pela carreira toda do grupo, soa deliciosamente contemporâneo e familiar à primeira audição; foi concebido dentro do estúdio, de modo orgânico, sem conceitos pré-determinados; é o disco do Skank de todas as fases. Por (tudo) isso, vamos enxergá-lo por meio das lentes do próprio Skank.

 

Lá pros anos 1990, o dancehall, reggae, raggamuffin e rock viraram o cartão de visitas do grupo. Contudo, na virada de milênio, ousaram uma nova trilha, mais psicodélica, menos eletrônica. Ambas as fases muito bem desenhadas, muito bem sucedidas.

 

Para “Velocia”, porém, entraram no estúdio apenas com a fome que cinco anos afastados lhes dava. A capitania de Dudu Marote, que trabalhara com o grupo nas duas fases, foi uma mola propulsora, já que entendia empiricamente a dinâmica da banda para poder extrair o melhor dos dois mundos. Dudu dividiu a produção com Renato Cipriano, engenheiro de áudio que já vinha gravando o grupo desde Cosmotron. Na escalação, a parceria de composição de Samuel Rosa o levou a se aproximar mais de Nando Reis. E vieram figuras novas na história do grupo, como Lucas Silveira, com quem divide uma música, Emicida (duas) e Lia Paris.

-- --