Porto Alegre : Sindha reúne prefeito e vereadores para discutir projetos

sindha eventos porto alegre

Aproximação e diálogo entre o legislativo e o executivo sobre projetos fundamentais para a capital gaúcha na área de infraestrutura foram tratados durante o café da manhã promovido pelo Sindha – Sindicato de Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região, na manhã de segunda-feira (26.02.18), na sede da entidade.

Projetos bom para quem ?
O prefeito, Nelson Marchezan Jr., o presidente da Câmara Municipal, Valter Nagelstein, e 16 vereadores estiveram presentes no encontro para discutir propostas para a cidade, como a revisão da planta do IPTU, autorização para Parcerias Público Privadas, mais voltadas aos serviços fornecidos pelo DMAE e pessoas em situação de rua. Projetos que interessam a quem ? A população de Porto Alegre vive uma das piores páginas da sua história com a péssima gestão do prefeito. A cidade está abandonada, com retirada de direitos e desmonte do patrimônio público.

Eventos e Turismo ?
O Sindha ao tentar aproximar vereadores do Prefeito assinala que avaliza o governo municipal, o qual não capta eventos e nem executa ações em prol do turismo, duas vertentes importantes para melhorar o desempenho das empresas vinculadas ao sindicato. Mais, a revisão do IPTU vai aumentar imposto e prejudicar a população. Sobrará menos dinheiro para ir a bares e restaurantes na Capital gaúcha.

Juntos!
“Nós temos que estar lado a lado, trabalharmos juntos. Esta é a bandeira que o Sindha levantou para este ano. E os dois poderes têm que encarar os problemas juntos. Separados não vamos a lugar nenhum”, destacou o presidente do Sindicato, Henry Chmelnitsky. Para o dirigente, a capital gaúcha necessita de aproximação entre os vereadores e o prefeito tendo em vista a urgência na resolução de problemas que a cidade enfrenta. Já para Fábio Juchen, editor de sortimentos, o caminho é o contrário. “O prefeito tucano é que precisa ouvir mais a população e os vereadores, se aproximando daqueles que podem ajuda-lo na administração da cidade. Em um ano de gestão, Marchezan, é o maior engodo eleitoral de todos os tempos na Capital gaúcha. Tudo que prometeu não realizou. Tudo que disse que não faria, está fazendo”, declara.

Olho na Câmara
O presidente da Câmara Municipal, vereador Valter Nagelstein, enfatizou que o parlamento necessita de tempo para trabalhar em cima de projetos que são propostos pelo executivo. “Se tivermos o tempo adequado, em agosto ou setembro desse ano, o assunto IPTU já poderá estar decidido”, disse o parlamentar. O vereador frisou ainda que o legislativo vai trabalhar em cima da possível Parceria Público Privada no DMAE e que “estão dispostos a enfrentar essas questões com o tempo adequado”. A população de Porto Alegre corre um sério risco de confisco de direitos, aumento de impostos, desmonte dos serviços públicos se a Câmara Municipal através da liderança do vereador Valter Nagelstein, negociar votos nos Projetos nefastos do executivo municipal. A Prefeitura de Porto Alegre, através de cargos, pode gerar ‘moeda de troca’. Há secretárias sem secretários e Fundação sem diretores. A população precisa ficar atenta a todos os movimentos da Câmara e cobrar de seus vereadores a mesma postura adotada em 2017, quando rejeito a maioria dos encaminhamentos do executivo municipal.

Verborragia
Marchezan iniciou lembrando que o dever de todo político é pensar no interesse público. Destacou o desafio gigante que Porto Alegre tem para se reestruturar, principalmente por estar impedida de obter financiamentos internacionais após o anúncio de rebaixamento no índice do Boletim de Finanças dos Municípios do Tesouro Nacional, caindo do grau B para o C. “Porto Alegre está falindo e só há uma saída que todos conhecem e que é praticada em diversos lugares do mundo”, disse o prefeito, referindo-se à privatização. O chefe do executivo municipal ainda complementou que se 10% das entidades se mobilizassem para propor melhorias, todo trabalho de diálogo e resolução dos problemas se tornaria mais fácil, pois estaria dando espaço ao coletivo e aos interesses da população de Porto Alegre.

Prefeito simplista
Marchezan adota uma atitude simplista com a privatização. O candidato incapacitado para o cargo só sabe lamentar a situação financeira do município. Não fez nenhuma ação pró ativa para o cidadão. Falta capacidade administrativa. É impossível entender. Se o negócio é ruim como vender ? Quem investirá em negócio deficitário e ruim ? Se o DMAE chama atenção e tem interessados é motivo para alerta. Será que não é um negócio bom ? Será que a gestão desqualificada e politiqueira são fatores que o torna deficitário. Será que todos os ex-Prefeitos da cidade estão errados em ser contra a privatização do DMAE ? Será que só Marchezan, ‘o chorão’ e sua equipe do banco de ‘TÁ-LENTOS’ são credenciados para definir a entrega do DMAE ? Dar o DMAE vai resolver os problemas da cidade ? Como disse o político de carreira, Marchezan, é preciso pensar no interesse público. Mas, o Prefeito não adota aquilo que diz. Está mais preocupado em entregar o patrimônio público ao privado com a privatização do DMAE E CARRIS.

Criador e apoiadores abandonam
Antes das eleições municipais, nenhum, mas nenhum, porto alegrense sabia da possibilidade de Marchezan concorrer a Prefeitura. A ‘invenção’ de Kevin Krieger contra a ação de candidatura de Mello fez surgir do ‘além’ a chapa PSDB / PP para Paço Municipal. Mas, aquele que criou a criatura, não aguentou e abandonou em menos de três meses de governo. Kevin e dezena de pessoas, também deixaram Marchezan. Inclusive a secretária que tinha na sua pasta a questão das pessoas em situação de rua,e que foi desautorizada na véspera de uma ação no Viaduto da Borges de Medeiros.

Engodo eleitoral
O governo Marchezan e sua equipe buscam retirar direitos de cidadãos e servidores públicos de carreira, aumentar impostos, desmontar o patrimônio e equipamentos públicos, arrebentar com a educação infantil alterando horários e limitando a merenda escolar, implantar a indústria de multa através de câmeras, desleixo com o transporte público por ônibus, diminuindo linhas, horários, não cobrando a renovação da frota prevista em licitação, desconsiderar a realização de festas populares como Réveillon e Carnaval, e outras ações de desmonte do serviço público estão na pauta do Tucano. “É triste, é vergonhoso saber que ajudei a eleger Marchezan com meu voto. Estou muito arrependido, arrependido mesmo. Um engodo eleitoral. Pior é saber que não posso demiti-lo e que terei que contar com a Câmara de vereadores para segurar os projetos do executivo”, afirma Fábio Juchen, editor de sortimentos.com.br.

Sindicato

O SINDHA aproveitou o encontro e entregou um estudo econômico mostrando o cenário do setor em 2017. Novos reuniões foram propostos para que o debate continue entre o legislativo e executivo. “Nós fazemos o que é a nossa obrigação. A nossa categoria só vai ser forte se a cidade estiver forte”, disse Chmelnitsky.

Aproveitando o debate, sortimentos.com, através do editor Fábio Juchen, conversou com o presidente do Sindicato de Hotéis de Porto Alegre (SHPOA), Carlos Henrique Schmidt, sobre assuntos polêmicos e com diferentes interpretações. Com argumentos e posições o líder empresarial mostrou confiança na gestão e numa cidade melhor no futuro. Confira:

SORTIMENTOS – O Sindha é favorável a revisão da Planta do IPTU ? Se sim, o aumento de imposto vai melhorar em que ?
Carlos Henrique Schmidt : O Sindha é favorável a revisão da Planta de Valores do IPTU, desde que esta revisão não acabe criando mais distorções do que já tem. Há bairros que a valorização das propriedades não é contemplada na Planta de Valores e em outros bairros houve a depreciação dos valores decorrente do descaso da Prefeitura e domínio da insegurança, sujeira e dos moradores de rua, como está acontecendo no Centro Histórico e Quarto Distrito, por exemplo.

SORTIMENTOS – O Sindha apoia as PPPs e DMAE ?
Carlos Henrique Schmidt : Sim, acreditamos que as PPPs são uma maneira de acelerar e melhorar os serviços públicos, desde que as regras sejam muito bem definidas e permitam que os serviços a serem prestados sejam de excelência e que os parceiros privados também sejam recompensados financeiramente de maneira justa ao seu investimento e risco.

SORTIMENTOS – Qual avaliação do prefeito ? Para o Sindha o prefeito está sozinho sem apoio dos vereadores ?
Não será o contrario ? Com ele sendo um engodo eleitoral, perdendo secretários e apoio politico na Câmara devido seu autoritarismo e projetos que cassam direitos da população e servidores de carreira ?
Carlos Henrique Schmidt : Acreditamos que o Prefeito é uma pessoa muito bem intencionada que abraçou uma Prefeitura repleta de vícios e com o funcionalismo dominado pelo corporativismo decorrente de um longo período de mandatários lenientes e com visão imediatista. A postura adotada por ele o isolou, fato que ao nosso ver foi percebido e já se nota uma correção de rumos. Quero crer que daqui a 3 anos ele será reconhecido como uma pessoa que enfrentou os problemas e se não os eliminar, pelo menos os trará a um nível de suportabilidade.

SORTIMENTOS – O Sindha como avalia as ações voltadas ao turismo e captação de eventos para Porto Alegre ? E o abandono da cidade, com vegetação invadindo durante ruas, praças e avenidas as férias, uma época de turismo ?
Carlos Henrique Schmidt : A nossa cidade tem muito a melhorar, o setor de turismo foi reduzido dentro da estrutura municipal, como outros diversos setores também o foram. É sabido que a Prefeitura passa por graves problemas econômicos e financeiros, só esperamos que os mesmos sejam resolvidos e no devido tempo a Prefeitura reconheça a importância do turismo para a economia da cidade. É importante salientar que uma cidade somente é boa para turistas se for boa para os seus cidadãos, então a questão que fica, Porto Alegre é boa para os porto-alegrenses, quando ela voltar a ser boa para nós os turistas vem automaticamente, mas isto não depende somente dos poderes municipais.

SORTIMENTOS – Em 2018, estima CNC, Carnaval movimentou R$ 6 bi e gerar 20 mil empregos Qual a posição do Sindha em relação ao carnaval de rua em Porto Alegre ?
Carlos Henrique Schmidt : O Carnaval é uma importante festa popular, mas a questão que fica, será que no atual momento, com a cidade em dificuldade de pagar fornecedores e funcionários, a Prefeitura deve colocar recursos no Carnaval? Porque não se faz um movimento para que esta importante festa não seja feita com recursos privados, falta criatividade a nossa população, mal acostumada a sempre depender de recursos públicos para fazer eventos populares onde muita gente lucra e não quer investir.

SORTIMENTOS – As pessoas em situação de rua é um problema do legislativo ou do prefeito que desautorizou sua ex-secretária numa ação prevista no Viaduto da Borges de Medeiros ?
Carlos Henrique Schmidt : A situação dos moradores de rua é muito mais complexa, temos problemas de legislação, de saúde pública, de resistência de parte da sociedade ao enfrentamento e de interferência de outros poderes municipais e estaduais.

“A ações do Sindha e de outras associações comerciais são válidas para reaproximar o executivo e o legislativo municipal. Pois, em menos de oito meses, o principal articulador político do governo na Câmara, o vereador Janta, saiu de líder da bancada governista para uma oposição feroz ao Executivo, numa atitude consciente e identificada com os interesses da população. O legislativo se afasta do executivo na medida que o prefeito Nelson Marchezan recheia a Câmara com projetos polêmicos que inclusive contrariam seu discurso de campanha. O eleitor votou no político pelas propostas apresentadas no período eleitoral e reprova a mudança do discurso, rumo e ações. Só posso crer que Nelson Marchezan Jr não estava preparado para assumir a prefeitura por desconhecer a situação financeira do município e que seu plano de gestão desandou com a realidade, ou que sabia da realidade e mentiu sobre projetos e propostas só para se eleger. Basta assistir os vídeos da campanha que estão na internet para confrontar o discurso e a atualidade. O prefeito que passou bom tempo em Brasília deveria olhar para a Câmara, que fica aqui na aldeia, para se inspirar e pensar em quem está mais identificado com os desejos da população. Legislativo ou Executivo ? Para terminar, estou intrigado com o silêncio do PP”. Por Fábio Juchen, editor de sortimentos.com

.