Jornalista Juremir Machado saí de programa ao vivo após ser censurado por Bolsonaro e colega da Rádio Guaíba

O jornalista Juremir Machado pediu demissão ao vivo durante o programa apresentado por Rogério Mendelski na Rádio Guaíba, após ser censurado por colegas ( apresentador âncora e produção) para viabilizar entrevista de Bolsonaro, que condicionou a participação desde que somente Rogério Mendelski fizesse as perguntas. Sentindo humilhado e desprezado pela emissora e âncora, Juremir, após 10 anos, se retirou do programa.

Juremir acaba de se demitir do programa do Rogério Mendelski. Bolsonaro deu entrevista para o programa, ao vivo, com a exigência de que só falaria para Mendelski, tendo os demais jornalistas da bancada que permanecer em silêncio. Lá estavam Jurandir Soares, o Voltaire Porto e Juremir. O âncora do Programa não passou a palavra para os demais conforme o acordo. Após a despedida do candidato, Juremir perguntou: posso dizer que fui censurado? Mendelski respondeu, claro que não… foi uma exigência do Bolsonaro. Normal. Então Juremir disse: me sinto humilhado, obrigado a audiência pelos 10 anos que estive aqui e me despeço agora e saiu.

Jurandir Soares disse que achou normal não poder falar, aceitou a censura e o descaso profissional e até deu razão a Mendelski. Já Voltaire Porto, respondeu: preciso do meu emprego. Uma triste história para o rádio gaúcho, independente, que acaba submisso aos desejos de um entrevistado. Fica a pergunta: Será que Bolsonaro também não teve de aprovar previamente as perguntas ? Escolher veículos, jornalistas, perguntas e evitar debates não é muito democrático. O candidato 5B’s ( Bolsonaro, Boi, Bala, Bíblia e Banco ) encontra simpatia na Record, veículo que tem oportunizado entrevistas exclusivas e especiais. Jornalismo é livre e sem censura. Censurar, não!

Nas mídias sociais surgiram diversas postagens de apoio à Juremir.

.