Porto Alegre – Banda A Excêntrica Arca lança seu álbum em shows no Bar Ocidente e Teatro Renascença

Mais que uma banda de rock, a irreverente A Excêntrica Arca dá vazão à criatividade e mescla música, performances teatrais e bom humor em shows que tem como fio condutor uma lenda criada por seus músicos, onde o desapego, a amizade, a imaginação e a musicalidade são valorizados. As influências são diversas e fazem parte do imaginário da cidade e também dos artistas que integram a “Arca”, todos com bastante experiência e atuantes no cenário da música do RS. Em 2015, o grupo promete muito som e fantasia nos shows de lançamento de seu primeiro álbum e confirmou logo duas datas, em dois espaços muito queridos da cidade. O primeiro show será dia 14 de maio de 2015, às 23h, no Bar Ocidente, dentro do projeto Ocidente Acústico e a segunda apresentação será dia 16 de junho de 2015, às 20h, no Teatro Renascença.

Tudo começou quando Régis Cardoso, compositor e tecladista, resolveu revirar seu baú de composições. Convidou outros parceiros de longa data, reuniu a galera em ensaios e posteriormente em gravações que resultaram nesse primeiro disco, intitulado “A Excêntrica Arca dos Camaleões Bardos”. Esse processo foi longo, estruturado, planejado, mas sempre emocional, verdadeiro. A ideia era botar o “bloco na rua” apenas quando estivessem prontos e devidamente imbuídos do espírito mágico que criaram em torno da banda.

Bandas conhecidas no cenário musical sulista em gerações anteriores como O Badulaque, Cálculo Renal, Universo Colorido, Subtropicais, Zumbira e os Palmares, entre outras que abusaram da psicodelia setentista em seus trabalhos, abrigaram alguns dos músicos da Excêntrica Arca e também, na qualidade de bandas irmãs, foram inspiração. Rock progressivo, world music, pop oitentista, psicodelia, tudo entra no caldeirão musical que eles denominam “rock camaleônico”. “É música para pegar a estrada, ouvir em alto e bom som, libertar a alma e decolar num voo livre emocional”, afirma Régis Cardoso, criador do grupo. Além das composições próprias, serão apresentadas durante o show, releituras de Secos e Molhados e Hooodoo Gurus. O show também terá participação de artistas da cena local e performances interativas de personagens mascarados que saem da Arca.

Com figurinos coloridos, máscaras e adereços, os integrantes da Excêntrica Arca apresentam-se como personagens camaleônicos, numa alusão não só às influências musicais, mas também às mudanças e adaptações necessárias para se alcançar a felicidade. Régis Cardoso (Camaleão Pirata), Robson Camargo Serafini (Camaleão Xeique), André Luis Fernandes Luciano (Camaleão Rastafari), César Moraes (Camaleão Mandrake), Thais Werutsky (Rapte-me Camaleoa), e Rolando Borges de Alencar (Camaleão Comanche) têm muitas influências na hora de compor, entre elas, Charlie Garcia, Fito Paez, Guilherme Arantes, Jorge Benjor, The Cult, Talking Heads, La Renga. Daí a mescla de elementos de vários estilos e ritmos presentes no trabalho da banda, que enfatiza bastante as variações de timbres de teclados e riffs melódicos da guitarra. Já as letras remetem ao ideário viajante/estradeiro e à filosofia yogin, com incursões também nos campos do amor e cotidiano.

Em poucas oportunidades, o grupo já pode ver que sua performance atrai os mais diversos olhares. A fim de divulgar um de seus shows, no final de 2014, fizeram um percurso, devidamente caracterizados, no Parque da Redenção, surpreendendo o público que lá estava. O show propriamente dito, apresentado na Sala Álvaro Moreyra ainda em 2014, para mostrar algumas das composições que integram o primeiro álbum, também foi um sucesso. Quem viu garante que nem sentiu a duração de 1h45min do espetáculo. É esperar pra ver o que tem dentro desta “excêntrica arca”.

-- --