Advogada confirma saída do caso e Delegacia da Criança assume investigação de estupro coletivo

A advogada Eloisa Samy confirmou, na noite de domingo (29.05.16), que deixou o caso da adolescente de 16 anos, que teria sido estuprada por mais de 30 homens, há uma semana, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro.

Em ligação telefônica, a advogada disse que deixou a defesa a pedido da avó da jovem. Segundo Eloisa, a avó da adolescente agradeceu sua dedicação no caso, mas ressaltou que, a partir de agora, o caso está aos cuidados da Secretaria de Direitos Humanos do estado.

“Estou aliviada. Na verdade, eu não imaginava que a denúncia tivesse esse alcance todo. E eu não tenho pernas para isso. Sou autônoma, não tenho um grande escritório por trás de mim e faço isso pela militância feminina mesmo”, afirmou Eloisa.

A advogada destacou que, só neste ano, Já atendeu mais de 30 mulheres em situação semelhante à da adolescente, sem que nada aparecesse na imprensa. “Estou surpresa com essa repercussão toda”, disse a advogada.

Investigação

A Polícia Civil do Rio de Janeiro havia informado, em nota divulgada no início desta noite, que a delegada da Criança e do Adolescente, Cristiana Bento, assumiu a investigação do caso. Segundo a nota, a medida visa “evidenciar o caráter protetivo à menor vítima na condução da investigação, bem como afastar futuros questionamentos de parcialidade no trabalho”. A decisão foi tomada depois de críticas à conduta do delegado Alessandro Thiers, da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática.

Com a decisão da Polícia Civil, as investigações sobre o estupro serão desmembradas como queriam a advogada Eloisa Samy. O delegado Alessandro Thiers cuidará das investigações relativas ao vazamento do vídeo divulgado na internet, detalhando o estupro da jovem por 33 homens da favela do Morro São José Operário.

No início da manhã, sob o título de Vitória das Mulheres, uma das advogadas da adolescente, Eloisa chegou a comemorar a troca da coordenação das investigações na internet. “O delegado Alessandro Thiers não é mais o encarregado da investigação do estupro coletivo”, escreveu a advogada em uma rede social. No entanto, essa  informação foi desmentida no início da tarde pelo Tribunal de Justiça do Rio.

O cidadão que tiver qualquer informação que possa contribuir com a investigação, especificamente endereços dos suspeitos ou novas provas do fato, pode entrar em contato com a Polícia Civil através da Central de Atendimento ao Cidadão (CAC) pelos telefones (21) 2334-8823, (21) 2334-8835, pelo chat online ou pelo Disque Denúncia 2253-1177.

Fonte Agência Brasil