91% dos paulistanos (classe B/C) sentem aumento dos preços

supermercados sortimentos com supermercados

Em uma sequência clara desde março do ano passado, 91% dos paulistanos das classes B e C estão sentindo a alta dos preços no final do mês. É o que demonstra um estudo realizado pela Hibou, empresa de pesquisa e monitoramento de mercado. A pesquisa foi realizada com 602 pessoas do perfil da classe média paulistana, no mês de junho na cidade de São Paulo.

O Estudo aponta que o grande vilão continua sendo a alimentação (79%), seguido por vestuário com 9%. Contas básicas como luz, água e gás aparecem na pesquisa com 4% e higiene 3%. Só neste mês, 68% dos consumidores apertaram o cinto e fecharam a carteira, deixando de adquirir produtos devido à elevação dos preços.

Com a chegada do inverno, roupas e sapatos foram os produtos mais citados (25%). “O consumidor está comprando menos, no vestuário, reciclar das roupas do inverno anterior tem sido uma boa saída. Na área de alimentação, o volume reduzido e a escolha por opções mais baratas dentro das categorias tem sido uma boa solução. O brasileiro já aprendeu a ser inventivo na cozinha e tem criado novas opções de receitas.” Explica Ligia Mello, sócia da Hibou e coordenadora da pesquisa.

Quanto aos produtos de supermercado, a carne (29%), biscoitos e bolachas (13%), frutas (10%) leite e derivados (9%) foram os produtos mais retirados do carrinho do paulistano por conta do aumento dos preços.

-- --