Tramandaí – Avançam trabalhos de dispersão da mancha de óleo no litoral norte do Rio Grande do Sul

mancha de oleo tramandai

Cerca de 2.500 litros de petróleo vazaram no mar em Tramandaí, litoral norte do Rio Grande do Sul, na noite de quarta-feira (6.4.16). O acidente aconteceu a cerca de 7 quilômetros da costa, durante o descarregamento de petróleo de um navio da Transpetro, empresa de transporte da Petrobras, em um oleoduto no Oceano Atlântico.

Em nota, a Transpetro relatou que o descarregamento havia sido interrompido devido ao mau tempo. Por isso, as extremidades dos mangotes que ligavam o navio ao oleoduto estavam fechadas. A tempestade rompeu um cabo de amarração que mantinha o navio preso à monoboia do terminal. Com a movimentação da embarcação, um dos mangotes estourou e liberou o seu conteúdo no mar.

Durante todo o dia de quinta-feira (7.4.16), equipes da Fundação Estadual de Proteção Ambiental do Rio Grande do Sul (Fepam) sobrevoaram o local para avaliar e monitorar a mancha de óleo. O chefe de fiscalização da fundação, Renato Zucheti, afirmou que o impacto ambiental do vazamento é pequeno.

“Foi um pequeno derrame em que praticamente não existe camada de óleo. Há apenas uma pequena iridescência, que são reflexos na superfície da água, com cerca de 5 quilômetros de extensão”, explicou Zucheti. O funcionário da Fepam, que é engenheiro químico, garantiu que o petróleo deve se decompor no oceano em um período de três a cinco dias.

Os trabalhos de contenção da mancha de óleo causada por um vazamento seguem sendo executados no Litoral Norte. Após novo sobrevoo, na área atingida, técnicos da Fundação de Proteção Ambiental (Fepam) informaram, no fim da tarde de sexta-feira (8.4.16), que não existem condições de aplicação do produto dispersante.

O processo de dispersão mecânica está sendo realizado por dez embarcações. A vistoria apontou que a mancha está muito dispersa, apresentando coloração prateada e muito fina.

A chuva pode auxiliar no processo de dispersão do produto. Durante a noite, as operações estarão suspensas. O monitoramento segue sendo realizado na faixa de praia por duas equipes, que percorrem o trecho entre Tramandaí e Cidreira verificando as condições da orla e animais.

-- --