Setor têxtil e de confecção ainda não percebe queda dos juros nos bancos

Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit)

Setor têxtil e de confecção

Na percepção da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), os juros mais baixos decorrentes da  queda da Selic, desde o final de 2016, ainda não chegaram às operações de concessão de crédito pelos bancos aos setores produtivos. Essa é a opinião de Fernando Valente Pimentel, presidente da entidade, setor constituído por 33 mil empresas, 1,5 milhão de trabalhadores diretos e faturamento anual em torno de US$ 45 bilhões, sobre a reunião do Copom na quarta-feira (16.05.18), que manteve em 6,5% ao ano da taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic.

“Os spreads até aumentaram, mas o problema não está apenas na taxa básica de juros, que, no nosso entender, segue acima de um patamar mais palatável para as empresas. Lembro que o crédito continua escasso. Começou a avançar mais para pessoas físicas, mas nas jurídicas há um acanhamento”, salienta Pimentel.

O presidente da Abit observa que os créditos mais disponíveis e com juros mais baixos para pessoas físicas têm impacto positivo nos bens duráveis. Estes foram os que mais sofreram com a restrição creditícia no período recessivo, entre 2015 e 2017, quando houve redução dos empréstimos na economia. “Na área têxtil e de confecção, a queda da Selic ainda não resultou em impacto suficiente para gerar mais consumo ou facilitar a vida das empresas, principalmente as pequenas e médias”.

Pimentel afirma que a Selic continua elevada, principalmente se comparada aos juros praticados pela maioria dos países. “Por outro lado, se levarmos em conta a nossa história econômica, veremos que descemos a um patamar jamais alcançado, sem que se utilizasse qualquer artifício heterodoxo. A queda decorre de um processo deflacionário, devido em parte à diminuição de preços dos alimentos, à própria recessão e a uma política monetária bem conduzida”.

 

Fernando Valente Pimentel presidente ABIT
Fernando Valente Pimentel – Presidente ABIT – Foto : divulgação


Mercado financeiro manda no país

Em outubro de 2016 a Selic era de 14,25%, e caiu para o valor atual após 12 cortes. Só que no mesmo período foi muito menos expressiva a queda dos juros para empréstimos. A Selic, para Pimentel, poderia ter começado a cair antes de outubro de 2016. “Mas isso é passado. Agora, precisamos ver como encarar a turbulência surgida no mercado mundial, com acirramento do protecionismo e a subida dos juros nos Estados Unidos. Temos fundamentos para manter nossas taxas baixas, mas o Brasil tem vulnerabilidades fiscais, que poderão levar a um novo aumento até o final deste ano”. A manutenção da Selic retardará ainda mais a redução do custo do crédito. A economia do país não reage, o PIB para 2018 já foi revisado para baixo e Brasil pode mergulhar ainda mais na sua pior crise. A frágil economia só vai ganhar força se os juros ficarem em nível razoável para quem quer investir e consumir.