Ovos de Páscoa : embalagens iguais com menos chocolate escondem aumento de preço

Ovos de Chocolate Páscoa

Ovos de Chocolate de Páscoa

Desde a estabilidade econômica, com a introdução do Plano Real, alguns fornecedores parecem ter encontrado a solução para seus problemas. Ao invés de aumentar os preços – um dos primeiros passos para afugentar o consumidor –, optaram em diminuir a quantidade do produto. Para a operação não gerar desgaste na ponta final, davam um verdadeiro banho de loja na nova embalagem. A prática, que prejudica a concorrência econômica e o consumidor, foi apelidada de “maquiagem de produtos”.

O retoque atinge os mais diversos segmentos e aparece em itens de higiene, produtos alimentícios, de  limpeza e até acessórios de informática. E o pior: uma pessoa desavisada pode até imaginar que está comprando mais pelo mesmo preço.

A prática da maquiagem de produtos chegou ao Ovos de Chocolate de Páscoa em 2018. Embalagens em tamanho tradicional, com menos produto e preço estável em relação a 2017, escondem um aumento significativo de preço de até 20%. Algumas empresas chegaram a diminuir 20% o tamanho do ovo de chocolate e ainda aumentaram o preço acima da inflação entre abril/17 a março/18.

Essa é a realidade que os consumidor estão encontrando ao comprar ovos de chocolate para a Páscoa. Menores com menos peso em embalagens de tamanho tradicional, dão a falsa sensação de que os preços se mantiveram em relação ao ano anterior. Mas o artifício de vendas revela uma realidade desestimulante : você está adquirindo menos chocolate e pagando bem mais caro. As embalagens iludem o comprador com seus suportes plásticos para manter o ovo na vertical.

O consumidor desavisado que não olhar bem o peso estampado na rotulagem e não perceber a mudança, poderá ter uma surpresa desagradável ao abrir a embalagem. “Pagamos caro pelo Ovo só para agradar nossos filhos e aí você vê eles frustrados, tristes e reclamando do tamanho. É muita sacanagem. Sinto que fui enganada”, disse a advogada Cleonice Navarro.

A prática da Maquiagem de Produtos é proibida desde 2002 pela Portaria 81, que determina que as alterações quantitativas devem ser informadas, pelo prazo mínimo de três meses, em área de 20% da embalagem. A proibição também está prevista no Código de Defesa do Consumidor (CDC) que, em seu artigo 31, determina: “oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados”.

Os fiscais do Procon-SP foram às ruas e autuaram 30 estabelecimentos comerciais por infração ao Código de Defesa do Consumidor. A infração mais comum foi a falta de informação nos rótulos dos produtos. Outras irregularidades constatadas foram o prazo de validade vencido, brindes (brinquedos) sem certificação do Inmetro e problemas na informação do preço.

O Procon orienta : “Não deixe de verificar nos rótulos as informações como data de validade, peso líquido e composição. Atenção aos ingredientes que compõe o produto, principalmente se for presentear quem tem restrições alimentares, com impedimento de ingestão de açúcar ou glúten. A inclusão de brinquedos no interior do produto, só encarece, mas eles são objetos de desejo das crianças. Se não tiver saída, ao comprar esse tipo de ovo observe se a embalagem traz o selo do Inmetro e a idade para qual o brinquedo é recomendável.

Ovos quebrados
Produtos promocionais com a informação de que estão “quebrados”, devem estar com desconto em relação a outros em perfeitas condições. A compra nessas condições não dá direito a troca posterior.

Ovos de chocolate industrializados seguem como os preferidos
Em posição de destaque nesta época do ano, os ovos de Páscoa industrializados seguem como a primeira escolha quando o assunto é intenção de compra dos consumidores. De acordo com pesquisa online da Kantar Worldpanel, realizada entre 1º e 23 de março, 42% dos brasileiros afirmaram que costumam comprar o item na data. Já os ovos caseiros foram citados por 15% dos respondentes. O levantamento revelou ainda que 20% dizem fabricar seus próprios ovos, enquanto 11% optam por outros tipos de guloseimas de chocolate – 12% não se enquadraram em nenhuma das respostas citadas acima. A pesquisa ouviu 892 pessoas.

Empregos, produção e lançamentos
Reconhecida como a principal data sazonal para o setor de chocolates no Brasil, a Páscoa 2018, gerou mais de 23 mil empregos temporários, tanto para a indústria como para os pontos de venda. Em 2017, foram produzidas mais de 9 mil toneladas de produtos de chocolate, o equivalente a 36 milhões de ovos de Páscoa. Apesar do volume ser menor do que o observado em 2016, o setor está otimista. “A indústria preparou mais de 120 lançamentos de produtos de Páscoa para a data, temos ovos para cada perfil de consumidor, para que todos possam presentear com variedade de escolha”, disse Ubiracy Fonseca, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados – ABICAB.