Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas no Expominas em Belo Horizonte

Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas
Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas

Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas

Depois de 21 anos ininterruptos realizados no Minascentro, a Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas escolhe para a edição 2018, o Expominas (Av. Amazonas, 6.200 – Bairro Gameleira ), em Belo Horizonte. A feira que acontecerá de 4 a 13 de maio ( sábados e domingos, de 10h às 21h e segunda à sexta, das 13h às 21h ), altera o endereço visando oferecer mais conforto para a mobilidade do público, através de estacionamento com mais vagas e diversas alternativas de acesso por linhas de ônibus e estação do Metrô. Os ingressos custam R$6,00.

A Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas reunirá produtores das cidades mineiras de Jacutinga, Monte Sião, Ouro Fino, Inconfidentes e Albertina, além de produtos do interior de São Paulo. Nas araras dos cem estandes estarão expostos e à venda predominantemente peças em malhas de tricô em linha e lã, para os mais diversos estilos e gostos para o outono inverno 2018. São peças em malha de tricô, leggs, vestidos, coletes, xales, casacos e sobrepostos, além de malhas de algodão, modal, casacos de couro, moda íntima, cama/mesa, doces e acessórios.

A produção do vestuário de malhas de tricô é a principal atividade de cidades do sul de Minas Gerais como Jacutinga e Monte Sião. Grande parte dos fabricantes é composta por microempresários que trabalham em família e revendem a maioria da produção para lojistas, turistas e ‘sacoleiras’ de várias regiões do país.

Após passar por Belo Horizonte, a Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas será realizada em Juiz de Fora, no período de 08 a 17 de junho, no Espaço MHall.

Tendências de 2018
Para Dayhana Nicoleti, coordenadora da Feira de Malhas de Tricô do Sul de Minas e consultora de moda: as tendências dooutono inverno têm duas palavras chaves: diversidade e conforto. Não existe uma só maneira de se vestir, mas sim uma enorme variedade de estilos. O que vale é o estilo de cada um. Leias as dicas de Dayhana:

:: Estampas : Quem abre alas é o xadrez, nas suas diversas formas e cores, o floral que se arrasta do verão para o inverno, e os ‘animal print’ que retoma seu espaço.
:: Cores : Destaque para as cores quentes, como o violeta, ou até mesmo podemos chamar de ultravioleta que é a cor do inverno. O vermelho também é muito trabalhado, e o azul que é o novo preto da estação.
:: Tricô : tecido do inverno, traz texturas com diversas tramas para trazer o tweed, o metalizado e a transparência. Também não podemos deixar de mencionar as peles e os pelos aplicados no tricô.