Estudo da McAfee revela que maioria dos adultos compartilha conteúdo íntimo via dispositivos móveis

Pesquisa realizada pela McAfee com 500 consumidores brasileiros constatou a maioria das pessoas pode estar correndo o risco de ter conteúdo íntimo exposto na internet. De acordo com o estudo, 62% dos entrevistados disseram que enviam ou recebem conteúdo privado, incluindo vídeos, fotos, e-mails e mensagens; e 61% das pessoas que recebem costumam armazenar esse conteúdo.

A amostra destaca como o compartilhamento de conteúdo pessoal como textos sugestivos, fotos de nús, vídeos e senhas podem potencialmente levar ao cyberstalking – prática criminosa que consiste no uso de ferramentas tecnológicas para perseguir ou assediar uma pessoa devido à exposição de conteúdo privado.

Dos entrevistados, 82% protegem seus smartphones com senha ou código de acesso. No entanto, 43% compartilham as senhas com o parceiro e 49% usam a mesma senha em vários dispositivos, aumentando a probabilidade de estes serem hackeados. Além de senhas, 60% dos entrevistados diz compartilhar com o parceiro o conteúdo do smartphone e 63% compartilha também contas de e-mail.

Outros dados apontam que entre os que enviam conteúdo íntimo, 76% os mandam para parceiros, enquanto 17% compartilham com desconhecidos. Mesmo assim, 91% das pessoas confia que seus parceiros não enviarão conteúdo íntimo ou informações privadas para outras pessoas, mas 75% diz que pede para o parceiro apagar as informações quando terminam o relacionamento.

A faixa etária entre 18 a 24 anos é a mais preocupada em acompanhar o que o parceiro faz na internet. 79% dos entrevistados olham o celular do seu parceiro para ver o conteúdo armazenado nele, incluindo mensagens e fotos. As pessoas que dizem entrar na conta do Facebook de seu parceiro pelo menos uma vez por dia somam 27%, enquanto 39% dos entrevistados admitiram também bisbilhotar o ex nas redes sociais.

“Com todas as histórias que ouvimos sobre fotos íntimas sendo vazadas, é difícil acreditar que as pessoas ainda estão compartilhando suas senhas”, diz Gary Davis, vice-presidente de negócios de consumo da McAfee. “Eles estão aumentando os riscos dessas fotos se tornarem públicas e, possivelmente, comprometerem sua identidade e reputação. Os consumidores devem tomar precauções e usar a segurança móvel para garantir que dados pessoais se mantenham privados”, conclui o executivo.

Para ajudar a manter o seu conteúdo seguro os consumidores não devem compartilhar senhas ou códigos de dispositivos móveis com ninguém. Outra dica é evitar o uso de senhas fracas que podem ser facilmente descobertas como aniversários, números em sequência ou números repetidos. Senhas de seis dígitos e letras transformadas em números são formatos mais seguros.