Endocrinologista Camila Girardi Pereira explica a função do metabolismo e as principais disfunções metabólicas

Endocrinologista Camila Girardi Pereira

Ganho de peso inesperado, sono em demasia, falta de energia, alterações de humor, no fluxo menstrual ou até mesmo falta de desejo sexual. Estas podem ser algumas das características que indicam que algo está em desequilíbrio no nosso metabolismo. Mas você sabe qual é o papel do metabolismo?

A Endocrinologista Camila Girardi Pereira, que atende nas cidades de Itapema e Brusque, em Santa Catarina, explica que o metabolismo é responsável por tudo que está relacionado ao controle da nossa energia vital. “Hoje em dia muito se comenta sobre o metabolismo e as pessoas possuem interesse em conhecer seu próprio ritmo metabólico. Cada um de nós tem um gasto energético próprio e é por isso que as dietas e tratamentos precisam ser prescritos individualmente”, diz.
O peso, idade, sexo, atividade física são fatores importantes na regulação do metabolismo. Por exemplo, aqueles que apresentam peso mais alto necessitam de um valor calórico maior, a idade mais avançada torna o metabolismo mais lento, os homens possuem maior massa muscular em relação às mulheres e com isso possuem um metabolismo mais rápido.
Patologias que influenciam o metabolismo
Entre as doenças ligadas a problemas com o metabolismo, a endocrinologista cita as disfunções na glândula tireoide. Reguladora da função de importantes órgãos, como o coração, o cérebro, o fígado e os rins, ela produz os hormônios T3 e o T4. Quando a tireoide não funciona de maneira correta, pode liberar hormônios em quantidade insuficiente, causando o hipotireoidismo, ou em excesso, ocasionando o hipertireoidismo. Geralmente, os sintomas do hipotireoidismo são notados quando o metabolismo está mais devagar. “Por isso é comum as pessoas sentirem sono, cansaço excessivo, intestino preso, pois todo o organismo assume um ritmo lento e pode ocorrer ganho de peso”. Já no hipertireoidismo ocorre o contrário: perda de apetite, tremor, agitação, intolerância a temperaturas quentes, intestino solto. “Com o gasto energético aumentado, há comumente a perda ponderal.

 

Menopausa e andropausa
A menopausa, definida após um ano do último episódio de sangramento menstrual, ocorre devido à falência dos ovários. Tem entre os sintomas as ondas de calor, diminuição do desejo sexual, insônia, aumento do risco cardiovascular e diminuição da massa óssea. “Com o acompanhamento é possível controlar esses sinais e sintomas, que, em sua maioria, são sentidos pelas mulheres anos antes da menopausa”, revela.
Já quem sofre com a andropausa são os homens. A deficiência androgênica do envelhecimento masculino não possui idade certa para chegar. “No homem, esse processo não é universal e, quando ocorre, é normalmente insidioso em suas manifestações clínicas”. É caracterizado por perda de energia, depressão, diminuição da libido e disfunção erétil que ocorrem no homem idoso e de meia idade com nível de testosterona abaixo do normal.

 

Hormônio do estresse
Por fim, Camila ainda cita o cortisol, conhecido como “hormônio do estresse”. Ele controla o metabolismo do sódio, do potássio e o aproveitamento dos açúcares, lipídios, sais e águas. Níveis elevados de cortisol devido alguma patologia, causam aumento de peso, com a gordura depositada no tronco e no pescoço, fraqueza muscular, pele frágil e hematomas. “Se há alteração na produção ou mesmo insuficiência é preciso procurar a causa para o tratamento adequado.”, finaliza.