Dias ensolarados e claros exigem mais cuidado com os olhos, orienta oftalmologista

mulher na praia verao oculos praia chapeu


Cuidados com a VisãoDicas de oftalmologista
saúde ocularSortimentos Saúde

Com a agressão ao meio ambiente aumentando, as pessoas têm sido afetadas pelos raios ultravioleta de forma severa. O uso diário de fotoprotetor com fatores acima de 30 é muito importante para a prevenção do câncer de pele. Mas, em termos de saúde ocular, muitas pessoas ainda falham ao sair de casa sem proteger os olhos com óculos de sol. “Esse cuidado relativamente simples pode fazer toda a diferença na qualidade da visão no longo prazo”, diz oftalmologista Renato Neves.

A exposição aos altos índices de raios ultravioleta provoca degeneração macular – doença que afeta a parte central da retina, membrana posterior dos olhos onde as imagens são transmitidas para o nervo óptico. “Como não existe tratamento eficaz para alterações retinianas, a prevenção ainda é o melhor remédio. Daí a importância de investir em óculos de sol de boa procedência, com proteção UVA e UVB nas lentes, e jamais cair na tentação de comprar modelos ‘baratinhos’, de origem duvidosa”, alerta o especialista.

Neves afirma que nem o modelo, nem o material importam muito, desde que sejam confortáveis e o usuário sinta-se encorajado a colocar os óculos de sol sempre que sair de casa, ainda que o dia esteja nublado ou a pessoa vá sair apenas de carro. “Por outro lado, a qualidade das lentes é muito relevante, já que a irregularidade da superfície das lentes de procedência duvidosa pode causar desconforto visual, dor de cabeça e astigmatismo (deformidade da córnea que torna a visão desfocada para perto e para longe), entre outros problemas visuais”.

Além do câncer ao redor dos olhos, a exposição exagerada aos raios solares pode causar, no mínimo, nove doenças oculares: câncer de pele, câncer da conjuntiva (membrana mucosa e transparente que reveste e protege o globo ocular), pinguécula (espessamento da conjuntiva), pterígio (fibrose da conjuntiva), ceratite (inflamação da córnea), catarata (opacificação do cristalino), degeneração do vítreo (responsável por manter a forma esférica do olho), retinopatia solar (queimadura da retina) e degeneração macular (deterioração da visão central).

De acordo com o oftalmologista, a fotoceratite implica na queimadura dos tecidos que revestem a parte externa dos olhos. “Trata-se de um problema muito recorrente entre pessoas que vão esquiar na neve e se esquecem de proteger a visão. Também pode acontecer em praias de areia branca, já que o sol é rebatido em direção aos olhos da pessoa. Vale ressaltar que olhos claros são sempre mais vulneráveis a esse tipo de ocorrência”.

Outro problema pouco mencionado é a pinguécula. “Trata-se de lesão amarelada que se espalha pelo globo ocular e em determinados casos pode se tornar espessa e incomodar a visão – necessitando de remoção cirúrgica. Assim como o aparecimento de manchas de pele ou verrugas em decorrência do sol, a pinguécula é resultado do acúmulo de sol – e, portanto, acomete pacientes depois da meia-idade”, diz o médico – chamando atenção para o fato de que alguns remédios e antibióticos também podem deixar os olhos mais sensíveis ao sol. “De modo geral, alguns remédios têm impacto sobre a visão, como medicamentos usados para combater a acne, os anti-histamínicos, os corticosteroides, remédios usados no tratamento de malária, do câncer, de disfunção erétil e doenças na próstata, entre outros”.

Na opinião do oftalmologista, além de cuidar preventivamente da saúde ocular e consultar um especialista sempre que sentir alterações importantes na visão, é possível fortalecer os olhos através de uma boa alimentação. “Frutas de várias cores e verduras de tonalidade verde-escuro (espinafre, couve e brócolis, por exemplo) contribuem para ter boa visão. Elas contêm antioxidantes que protegem os olhos, reduzindo os danos provocados pelos radicais livres. Ovos, milho verde, mamão, laranja e kiwi também contêm luteína, substância fundamental no combate à degeneração macular relacionada à idade. A esses alimentos, acrescentamos cenoura e abóbora, que também são ricas em vitamina A e contêm muita vitamina C”.

Neves recomenda, também, incluir importantes fontes de ômega-3 e reduzir a ingestão de sódio. “Peixes, castanhas, óleo de linhaça e canola previnem contra a síndrome do olho seco – tão comum nas grandes cidades e na terceira idade. Vale lembrar que todas as dietas saudáveis devem incluir grandes quantidades de frutas, legumes e verduras frescas – que podem ser consumidas ao longo do dia. A ideia é aumentar a ingestão de vitaminas, minerais, proteínas saudáveis, ômega-3 e luteína. Com uma alimentação saudável, uso diário de óculos de sol e visitas regulares ao oftalmologista, é possível enxergar muito bem e por mais tempo”.