Curitiba – Peça escrita por Nelson Rodrigues será encanada no Centro Cultural Boqueirão

CURITIBA Beijo no Asfalto-3

 

 

A peça “O Beijo no Asfalto”, escrita por Nelson Rodrigues, vai cumprir temporada de 26 de julho a 31 de agosto de 2014 no Centro Cultural Boqueirão (Rua José Guercheski, 299 – Boqueirão), em Curitiba/PR. As apresentações acontecem aos sábados e domingos, às 20h, e a entrada é gratuita.

 

 

É comum atribuir a Nelson Rodrigues o título de maior dramaturgo brasileiro. É uma afirmação categórica que dá a ele uma dimensão superior e um aspecto quase intocável. Nelson Rodrigues elevou o teatro brasileiro à categoria de clássico e de arte maior.

 

 

CURITIBA Beijo no Asfalto-1

 

 

Ninguém tem a menor dúvida de que o moderno teatro brasileiro nasceu no ano de 1943, quando sob a direção de Ziembinski, estreou “Vestido de Noiva”, texto revolucionário de Nelson. Nada nos palcos brasileiros chegou a um nível tão profundo de observação da natureza humana e da construção dramatúrgica. Com “Vestido de Noiva”, Nelson Rodrigues libertou o teatro brasileiros das amarras convencionais e lançou as flechas do chamado “teatro desagradável”.

 

 

A partir daí, a obra de Nelson passou a ser uma eterna pesquisa de linguagem e um aprofundamento da psicologia humana. Nelson pensou o homem, o brasileiro comum, como nenhum outro dramaturgo. Aliou seu profundo conhecimento da natureza humana frágil, passional, desesperada e impotente à experiência invulgar de repórter policial. Dono de uma observação aguda das motivações humanas, Nelson Rodrigues dedicou-se a usar o teatro para refletir impiedosamente sobre elas.

 

 

CURITIBA Beijo no Asfalto-2

 

 

“O Beijo No Asfalto”, escrita em 1961, é fruto de sua última fase de escritor. Aquela que Sábato Magaldi chamou de “tragédias cariocas”. Nelson entrega-se a uma espécie de realismo cruel e, sem abrir mão de suas obsessões psicológicas, faz de seu teatro um tipo de aventura dramático/policial em que o protagonista persegue um verdadeiro calvário de desejos, equívocos e crueldades.

-- --