Curitiba – Oswaldo Montenegro apresenta turnê “Trilhas” no Teatro Guaíra

oswaldo-montenegro

O cantor e compositor Oswaldo Montenegro apresenta neste sábado (09.04.16), a partir das 20h, a turnê “Trilhas” no Teatro Guaíra (Rua XV de Novembro, 971, Centro, Curitiba – PR). Os valores do ingressos variam de R$ 66,00 (meia-entrada) a R$ 326,00 (inteira). O preço varia de acordo com o setor. A taxa administrativa de R$ 6,00 está inclusa no valor.

Nesse novo show, o menestrel e sua banda fazem um passeio por canções e textos criados pelo artista para enredos e personagens consagrados pelo público e pela crítica. Ele esteve na capital paranaense em agosto de 2014, com a turnê “Porta da Alegria”, com grande sucesso de público. O evento é assinado pela Multi Eventos Promoções.

O nome “Trilhas” foi inspirado em sua carreira, pois jamais saiu da estrada, emendando, desde 1979, uma turnê na outra, variando o show, o instrumental, a forma, a iluminação, mas sempre na estrada. Por mais incrível que pareça não houve, nessas décadas, notícias de férias. O cantor mora na estrada. E “Trilhas” também, porque, de lá, escreveu inúmeras músicas para cinema, balé, teatro e TV, numa aparentemente inesgotável criatividade.

Do musical “O Vale Encantado”, que depois virou livro infantil indicado e premiado pelo MEC, serão apresentados “Sem mandamentos” e o texto final “Pense em coisas lindas”.

Raramente tocadas em público, terrá “Aos Filhos de Sagitário”, composta para o musical “A Dança dos Signos”; “Simpatia de Giz”, de “A Aldeia dos Ventos”; “Taxímetro”, da peça “Noturno”; além de “Cigana” e “Coração de todo mundo”, temas de “Mayã – Uma Ideia de Paz”. Todos, espetáculos com público recorde de bilheteria e vários anos em cartaz.

De trilhas escritas para espetáculos de outras pessoas, teremos, por exemplo, “Lua e Flor”, da peça “Brincando em Cima Daquilo”, gravada pela primeira vez por Marília Pera. Enfim, um passeio por obras que o trovador compôs para personagens outros: “O que eu não sou, como eu seria se fosse”.

“Trilhas” é uma espécie de resumo de uma obra que mantém um público imenso, fiel à sua qualidade e, acima de tudo, à sua originalidade. É inegável que Montenegro não se parece com ninguém.

Foto: Divulgação

-- --