Crise no Brasil : Inadimplência entre as micro e pequenas empresas atinge quase 5 milhões de empresas

Crise no Brasil : Inadimplência entre as micro e pequenas empresas atinge quase 5 milhões de empresas


Crise no Brasil : Inadimplência e desemprego

Em novembro de 2017, o número de MPEs com dívidas atrasadas chegou a 4,9 milhões. As companhias do setor de serviços representam a maioria, com 45,6% do total.

Estudo da Serasa Experian revela que, em novembro de 2017, o número de Micro e Pequenas Empresas em situação de inadimplência chegou a 4.905.980, o maior número registrado desde março de 2016, quando o levantamento passou a ser feito. Em relação a novembro de 2016, o aumento foi de 11,1%.

Ainda de acordo com a pesquisa da Serasa Experian, do total de mais de 4,9 milhões de MPEs no vermelho, em novembro/2017, 45,6% eram prestadoras de serviços, 45,2% empresas comerciais e 8,7% indústrias. A região Sudeste concentrou a maior porcentagem de micro e pequenas empresas inadimplentes, com 53,8% do total. Em seguida aparece o Nordeste, com 16,4%; o Sul, com 15,8%; Centro-Oeste, com 8,7% e Norte, com 5,3%.

Entre os estados, São Paulo tem o maior número de empresas negativadas, com 32,6% do total. Em seguida está Minas Gerais, com 11,0%, e Rio de Janeiro em terceiro, com 8,1%.

De acordo com os economistas da Serasa, a alta da inadimplência das Micro e Pequenas Empresas está sendo liderada pelas empresas do setor de serviços. Para estas, a recuperação da economia em 2017 ainda não chegou de forma significativa, diferentemente do que vem ocorrendo em outros segmentos econômicos como o agronegócio e o varejo, por exemplo. Assim, sofrendo ainda dificuldades financeiras, as Micro e Pequenas Empresas do setor se serviços impulsionam a inadimplência corporativa para cima.

Brasil Real diferente daquele da Globo, Band e do Governo Temer
Realmente há recuperação da economia ? Os índices de inadimplência do consumidor atingem 61 milhões de cpfs e são cerca de 5 milhões de empresas com atrasos, além de cerca de 12 milhões de desempregados. Para completar o cenário do caos, arrocho salarial, retirada de direitos (Reformas Trabalhista e da Previdência), atrasos e parcelamentos de salários (servidores públicos) e aumento sistemático e frequente dos combustíveis ( gasolina, diesel e gás ). Não contente, o Governo Temer, que é de tremer qualquer esperança, ameaça com aumento de impostos para 2018, visando agradar investidores internacionais. Está na hora do governo federal agradar e se preocupar com TODOS os brasileiros, não somente com os interesses de uma elite e do capital externo. Mas pouco podemos esperar de políticos corruptos e mal intencionados, que ganha apoio de uma mídia manipuladora e beneficiária das verbas publicitárias do governo. Terminando, fica a pergunta : as micro e pequenas empresas são aquelas que mais contratam funcionários no Brasil, se  elas estão quebradas, haverá incremento no emprego ou mais desemprego ? Em 2018, teremos a resposta.