Setor de Balas & Gomas se estabiliza no primeiro bimestre, diz ABICAB

Após registrar queda em 2015, indústrias se recuperam e registram produção maior em janeiro e fevereiro de 2016

O setor de Balas & Gomas está se recuperando. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (ABICAB), a produção do primeiro bimestre de 2016 apresentou volume 0,6% maior se comparado ao mesmo período de 2015. Em janeiro e fevereiro desse ano, o Brasil produziu 54,8 mil toneladas de balas e gomas de mascar.

Segundo a ABICAB, o consumo per capita brasileiro de Balas & Gomas é de 1,7 quilos ao ano. “Os produtos de nossos associados estão disponíveis em mais de 1 milhão de pontos de venda de todo o País, com diversas opções de balas, chicletes e pirulitos. O setor está se estabilizando porque se adaptou ao novo cenário e oferece um produto de qualidade, de baixo desembolso e para atender uma grande demanda”, afirma Getúlio Ursulino Netto, presidente da ABICAB.

Balanço anual – Apesar do volume estável no início de 2016, o setor registrou queda de 3,6% no ano passado, de acordo com balanço da ABICAB. Em 2014 foram produzidas 392 mil toneladas de balas e gomas de mascar contra 378 mil toneladas em 2015.

Entraves – Mesmo com o aumento no volume, o setor vem enfrentando obstáculos. Aumentos dos custos na tarifa de energia, combustível, mão de obra e insumos foram motivos para as indústrias terem gastos até 20% maiores na produção. Além disso, o aumento do dólar elevou o preço das matérias-primas, como insumos químicos, agrícolas e embalagens.

“O ano de 2015 foi um dos mais desafiadores para o setor, que ficou espremido entre os aumentos de matérias-primas e um cenário econômico de retração. Em 2016 assistimos a uma leve recuperação em meio a grave crise”, finaliza o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (ABICAB), Getúlio Ursulino Netto.