Smartphone se consolida como meio preferido de acesso à internet, diz pesquisa

internet banda larga site web celular ipad 201605

Pesquisa nacional sobre os hábitos de utilização da internet no Brasil, feita pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) e Instituto Ipsos, mostra que o smartphone se consolidou como principal meio para acessar a internet no país, utilizado por 69% dos internautas em 2016.

O total é 11 pontos percentuais maior que o registrado em 2015. Depois do smartphone, o computador foi o equipamento mais utilizado para acessar a internet, com 27%.

“[O ano de] 2015 foi o primeiro em que a gente teve um descolamento, com o smartphone passando o computador. E agora, de 2015 para 2016, mais ainda. O smartphone não só avança mas, de modo geral, ele também tira espaço do computador, que está virando cada vez mais compacto”, disse o gerente de Economia da Fecomércio-RJ, Christian Travassos.

A sondagem foi realizada em setembro do ano passado, em 72 municípios, entre eles oito capitais: Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador e Recife).

Em 2016, 66% dos entrevistados, sete em cada dez, disseram ter acesso à internet. Em 2015, esse percentual era de 60%. Entre os que utilizam a rede, 88% o fazem em conexão própria. Em seguida, estão o que utilizam a rede de amigos ou parentes, com 6%; e a rede da empresa onde trabalham (4%). A rede pública gratuita ou paga foi citada por 1% dos entrevistados, cada.

As redes sociais motivaram o acesso de 91% dos usuários da internet. A busca por informações diversas (45%), checagem de e-mail (30%), ouvir ou baixar músicas (25%) e baixar vídeos (23%) também foram citadas pelos internautas.

Compras
Já o uso da internet para comprar algum produto ou serviço foi a finalidade que mais cresceu entre 2015 e 2016 entre os internautas, passando de 8% para 14%. Em 2014, a parcela de brasileiros que fazia compras online era de apenas 3%. “A evolução positiva tem a ver com essa migração, cada vez mais no dia a dia, das famílias para a internet e mesmo até com uma maior confiança do brasileiro com esse tipo de consumo”, analisou Travassos.

Entre os que disseram ser usuários da internet, 86% acessam a rede pelo menos uma vez por dia. O tempo médio é de uma hora e 24 minutos, 38% a mais que em 2015.

A pesquisa constatou também que em 2016 todas as regiões apresentaram índices altos de conectividade, lideradas pelo Sul, que tem a maior parcela de usuários com acesso à internet (82%). Em seguida, aparecem as regiões Sudeste (70%); Norte (69%); Centro-Oeste (59%) e Nordeste (51%).

Perfil
O percentual dos que disseram acessar a internet é o mesmo entre homens e mulheres, de 66%, de acordo com o levantamento. Em relação à escolaridade, entre os que têm nível superior, 91% disseram ser usuários da rede, percentual que cai para 19% entre os entrevistados sem instrução formal.

Por renda, entre as classes A e B, o acesso à internet é de 87%. Na classe C, o percentual dos que têm acesso à internet atinge 69%, baixando para 28% nas classes D e E. “Quanto menor o poder aquisitivo, menor o uso de internet”, destacou Travassos.

No que diz respeito à faixa etária, a pesquisa deixa claro que os mais jovens, entre 16 a 24 anos (89%) e entre 25 a 34 anos (84%), usam mais a internet, em termos relativos, “o que não significa que as demais faixas não acessem”, destacou o economista.

Offline
Entre os brasileiros que disseram não utilizar a internet, 38% alegaram como razão a falta de interesse; 29% disseram não saber utilizar equipamentos de acesso ou a própria rede; 17% não tiveram acesso à internet; e 15% afirmaram não ter equipamento para isso.

-- --