Número de ataques financeiros contra usuários de Android triplicou em 2014

android

O estudo “Ciberameaças financeiras em 2014” da Kaspersky Lab relata que o número de ataques de malware financeiros contra usuários de Android cresceu 3,25 vezes em 2014. Após uma diminuição inicial em março de 2014, pesquisadores da Kaspersky Lab registraram um aumento significativo do número de ataques de malwares Trojan-SMS durante a segunda metade do ano.
· 48,15% dos ataques contra usuários de dispositivos com Android, que foram bloqueados por produtos da Kaspersky Lab, usavam o malware mirando dados financeiros (Trojan-SMS e Trojan-Banker);
· O número de ataques financeiros contra os usuários de Android em 2014 aumentou 3,25 vezes (de 711.993 para 2.317.194 ataques) em comparação com 2013, e o número de usuários atacados aumentou 3,64 vezes (acima de 212.890 para 775.887);
· 98,02% de todos os ataques de malwares bancário em Androids foram contabilizados por apenas três grupos maliciosos.

Android é um dos mais populares sistemas operacionais móveis no mundo, e, portanto, atrai a atenção dos cibercriminosos mirando informações confidenciais dos usuários e dinheiro. Durante 2014, produtos da Kaspersky Lab para Android bloquearam um total de 2.317.194 ataques financeiros contra 775.887 usuários em todo o mundo. A maior parte destes (2.217.979 ataques contra 750.327 usuários) usou o malware Trojan-SMS, e o restante (99.215 ataques contra 59.200 usuários) usou o malware Trojan-Banker.

Embora a contribuição do Trojan-Banker no volume global de ataques financeiros contra os usuários do Android seja relativamente pequena, ele continua a crescer. Durante o ano, os produtos da Kaspersky Lab detectaram 20 diferentes programas Trojan-Banker maliciosos. No entanto, havia apenas três astros entre eles: Faketoken, Svpeng e Marcher. Svpeng e Marcher são capazes de roubar credenciais de banco online, bem como informações de cartão de crédito, substituindo os campos de autenticação de aplicativos de mobile banking e lojas de aplicativos em um dispositivo infectado. O Faketoken, por sua vez, é feito para interceptar códigos MTAN utilizados em sistemas de autenticação multifatoriais e encaminhá-los aos criminosos. Esses três grupos foram responsáveis por 98,02% de todos os ataques Trojan-Banker.