Exportações de calçados aumentam em agosto de 2016, diz Abicalçados

Porto - Exportação - Exportações - Containers

Dados elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) indicam que as exportações de calçados registraram uma pequena recuperação em agosto. No mês passado, os calçadistas embarcaram quase 10 milhões de pares que geraram US$ 87,7 milhões, números superiores tanto em volume (10,6%) quanto em dólares (27%) no comparativo com o mês oito de 2015. Com isso, no acumulado dos oito meses do ano, os calçadistas somaram 76,5 milhões de pares embarcados por US$ 617,8 milhões, com incremento de 2,6% em pares e 0,8% em receita no comparativo com igual ínterim de 2015 (74,6 milhões por US$ 613 milhões).

O presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, destaca que a recuperação é proveniente da boa performance alcançada pelas empresas nas feiras do início do semestre, com destaque para Expo Riva Schuh, na Itália, onde os calçadistas negociaram o equivalente a US$ 26 milhões. “Apesar do momento macroeconômico não ser dos mais positivos e a volatilidade cambial estar jogando contra o nosso produto, conseguimos bons resultados devido ao bom desempenho nas mostras internacionais, o que aponta para uma maturidade maior do exportador de calçados brasileiro”, avalia Klein.

Estados
Nos oito meses de 2016 o principal exportador de calçados do Brasil foi o Rio Grande do Sul. No período, os gaúchos responderam por quase 45% do total gerado pelos embarques. Conforme os dados da Abicalçados, os gaúchos embarcaram 18 milhões de pares por US$ 276,65 milhões, números superiores tanto em volume (44%) quanto em receita (14,2%) no comparativo com igual período do ano passado.

O segundo exportador do período foi o Ceará. Nos oito meses, os cearenses embarcaram 29 milhões de pares que geraram US$ 159,43 milhões, uma queda de 3,3% em pares e incremento de 2,3% em valores na relação com o mesmo período de 2015.

Na terceira colocação entre exportadores, São Paulo embarcou 6,3 milhões de pares por US$ 72 milhões, incremento de 1,3% em volume e queda de 15% em dólares na relação com o ano passado.

Destinos
Entre janeiro e agosto de 2016 o principal destino do calçado brasileiro foram os Estados Unidos. Para lá foram enviados 8 milhões de pares que geraram US$ 140,8 milhões, registros superiores tanto em pares (18,2%) quanto em dólares (17%) na relação com igual ínterim do ano passado.

A Argentina segue no segundo posto entre os destinos do produto verde-amarelo. Nos oito meses, os hermanos compraram 6 milhões de pares por US$ 67,44 milhões, números superiores tanto em pares (33%) quanto em valores (57,7%) na relação com 2015.

O terceiro posto foi da França, que entre janeiro e agosto importou 5,37 milhões de pares por US$ 37,3 milhões, quedas de 8,3% em pares e 4,7% em dólares em relação ao mesmo ínterim do ano passado.

Importações
A recente apreciação do real ante o dólar está freando a queda nas importações de calçados. No mês de agosto foram importados 2 milhões de pares por US$ 33,4 milhões, apenas 4,5% menos do que no mesmo mês do ano passado. Desde o início do ano, é a menor queda registrada nos comparativos mensais, o que indica uma possível retomada das importações de calçados. Conforme relatório da Abicalçados, desde o início do ano a queda média mensal havia ficado em 41%. “Desde o início do segundo semestre, temos convivido não somente com a instabilidade cambial, mas com uma contínua desvalorização da moeda norte-americana ante o real”, comenta Klein.

Com o resultado de agosto, entraram no Brasil 16 milhões de pares por US$ 230,65 milhões, quedas de 36% em pares e 38,2% em dólares na relação com igual período do ano passado. As principais origens foram Vietnã (7 milhões de pares por US$ 126,6 milhões, quedas de 37,3% e 36%, respectivamente), Indonésia (2,6 milhões de pares por US$ 47,3 milhões, quedas de 48% e 49,2%) e China (5 milhões de pares por US$ 27,54 milhões, quedas de 4,3% e 21,6%).

Em partes de calçados – cabedais, palmilhas, solas, saltos etc – as importações alcançaram US$ 29,7 milhões no período dos oito meses, 33% menos do que no mesmo ínterim de 2015.

Fonte : Abicalçados